Quando a horta nos dá tomates...fazemos tomatada

O post de hoje não é sobre coisas bonitas...quer dizer...até acho os tomates fotogénicos ;) Mas espero que seja uma dica útil.



Estamos neste momento no pico da época de tomate e devemos aproveitar ao máximo o seu consumo fresco. É rico em licopeno que é um agente anticancerígeno e tem muitas vitaminas e sais minerais.

No entanto, não é um fruto (afinal não é um legume ;) ) que tenha grande longevidade em planta nem que aguente bem depois de colhido (ah, outra dica! o tomate nunca deve estar no frigorífico pois perde o seu sabor). Por isso quando a horta nos dá caixas (literalmente) é preciso fazer alguma para não serem desperdiçados.

Por isso o fim de semana foi dedicado a fazer tomatada como a minha avó fazia. Infelizmente não a conheci, mas a minha mãe tratou de me ensinar.

É portanto um método bastante antigo, mas muito comum nas aldeias.

A tomatada não é mais que uma pasta de tomate que se conserva com sal e azeite e afianço-vos que dura anos. Sim, anos! Abri este ano o frasco que a minha mãe me enviou há 2 anos e continua perfeita!

O primeiro passo passa por lavar muito bem os tomates e retirar quaisquer manchas da pele.

De seguida testei duas alternativas:

Alternativa A - cortar o tomate em pedaços e esmagar bem com as mãos
Alternativa B - triturar tudo no liquidificador

A versão A coloquei num escorredor com buraquinhos e a versão B coloquei num pano que pendurei com um alguidar por baixo.

E dormiram 24 horas no frigorífico.


No dia seguinte (não convém esperar mais do que 24 horas), a versão A estava ainda com um pouco de sumo e com este aspecto


e a versão B ainda muito sumo e estava assim


 Conclusão:
a) foi necessário espremer as duas versões mesmo após as 24 horas
b) a versão B deu muito mais trabalho a espremer (torcer consecutivamente a bolinha de tecido) e desperdiçou mais polpa que vai junto com o sumo (ver foto em baixo a tigela no topo que aproveitei)

Assim, da próxima vez que fizer vou optar por esmagar tudo muito bem com as mãos.


O passo seguinte é, depois de tudo espremido, amassar a tomada com azeite e sal. O azeite e o tomate ajudarão a conservar a pasta. Eu coloquei tudo a olho, mas talvez tenho usado no máximo 2 colheres de sopa de sal e de azeite.

Nota: nesta fase juntei as duas massas.


Para finalizar coloquei tudo em frascos esterilizados (ferver ou colocar no forno) e cobri de azeite.


É muito importante que fique totalmente coberto de azeite o topo do frasco. Isso impedirá a formação de bolores e a tomatada não se estragará!


E pronto. Sabor de verão guardado para dias tristes de inverno :)


Quando abrirem o frasco para começar a usar, retirem com uma colher limpa e voltem a cobrir com azeite e assim sucessivamente até chegar ao fim :)

Espero que esta dica vos seja útil. E para as meninas que não tenham horta, vão ao vosso mercado local e comprem tomates bem madurinhos e experimentem. Não se vão arrepender e garanto que é muito mais saborosa e saudável que a do supermercado ;)

26 comentários:

  1. Assim nunca fiz...

    Faço muitas vezes é o refogado pronto a usar (sem sal) e congelo. Da ultima vez, em vez de congelar, guardei-o em frascos esterilizados na despensa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hmmm....isso também me parece uma boa opção para jantares de emergência :)
      Assim que esvaziar o meu congelador no inicio do tempo das sopas vou testar.
      Obrigado pela dica :)

      Eliminar
  2. Na minha casa, usava-se esse processo mas para fazer massa de pimentão. Com algumas variações...

    O pimento era moído num moinho manual que ainda tenho (deve ter mais de 60 anos) e a massa era colocada logo com sal durante a noite num escorredor com um alguidar por baixo para apanhar a água. Isto porque o sal permite extrair melhor a água excedente.
    Na dia seguinte era enfrascado e coberto de azeite.

    Há uns anos recuperei essa tradição, juntamente com uma amiga e por altura do Natal fazíamos quilos de massa de pimentão, ao qual chegámos a juntar dentes de alho e bolinhas de pimenta e folha de louro (para aromatizar ainda mais) e oferecíamos frascos aos nossos amigos e familiares pelo Natal. Os últimos frascos que fizemos duraram uns 3 anos, gastei o último há poucos meses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naná, querida Naná, só boas dicas! :)
      Tudo anotadinho para as próximas experiências!
      Kisses

      Eliminar
  3. Engraçado que ontem triturei os meus todos e coloquei em sacos de cubos de gelo para depois ser mais facil tirar na hora de usar.
    eu com as conservas tenho sempre um bocado de medo de que se estraguem, enfim...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Márcia, as conservas são realmente uma ciência, Mas neste caso não tem que saber!
      É só esterilizar, colocar lá dentro e garantir que está sempre coberta de azeite! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Receitas de avós... muito interessante.
    Eu também faço alguns litros de molho de tomate mas numa versão beeeeem mais simplificada e rápida. Guardo em potes no freezer, prontos para usar.
    Parabéns, esta forma deve deixa-los deliciosos... fico imaginando esta pasta em cima de um pão bem fresquinho...huuummm
    Um abraço(com a boca cheia dágua).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hmmmm Egléa, que boa ideia para umas tostas!! :))))
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Olha este post veio mesmo a calhar , tenho um balde cheio de tomates vindos da horta . Acho que vou seguir a tua dica :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uh mesmo Carla! :)
      Depois diz como fizeste e o que achaste
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Uau Ana, grande dica! Genial, polpa ou tomate em pedaços caseiros. Muito bom! Obrigada ;)
    bjs

    ResponderEliminar
  7. Uma sugestão maravilhosa para aproveitar e eu também gosto de fazer!!! Bj

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. Não te esqueças de partilhar :)
      Como anda a Crestelda?

      Eliminar
  9. Que giro, não conhecia. Quando for à santa terrinha e vier carregada, sou bem capaz de experimentar a receita. Obrigada, queriducha! :)

    ResponderEliminar
  10. olá boa tarde,
    peço desculpa pela pergunta mas não percebi bem.
    o sal é para misturar na massa)
    o azeite é só para colocar por cima?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel, perguntas são bem vindas! :)
      Na última fase quando amassei juntei sal e azeite. No final cobri só com azeite.
      A Naná sugere colocar o sal logo na primeira fase pois ajuda a extrair a água e nesse caso não seria adicionar mais tarde.
      Qualquer dúvida é só perguntar!

      Eliminar
  11. O Engraçado é que em cada ponto do País as coisas tem nome diferente. Para mim tomatada não é assim, mas sim os tomates cozidos com cebola a que se juntam ovos escalfados. Adoro a tomatada que a minha avó fazia e de vez em quando ainda faço.
    Esta maneira de guardar tomates não conhecia, é sempre bom aprender algo novo e útil ainda por cima com reportagem fotógráfica.
    Beijinhos boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que giro Pinta, realmente somos tão pequeninos mas tão ricos :)
      Nunca comi da tua tomatada, não queres partilhar a receita?

      Eliminar
  12. Olá Ana, para mim a tomatada também é como a da Pinta, ainda esta semana a fiz para o jantar e adoro. Mas estamos numa altura em que toda a gente me vem oferecer tomates, além dos que trouxemos da terra do meu marido. Vou então fazer a tua conserva, vamos ver se tenho paciência para os ter a escorrer, será que, se espremer bem os pedaços, não chega ?, e o suco não se aproveita? Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sério? Que coincidência! Já pedi à Pinta para partilhar a receita dela, não queres partilhar?
      Estou mesmo feliz com este post e com tudo o que aprendemos umas com as outras :)))

      Eliminar
    2. Se não me esquecer de tirar fotos, partilho. bjs

      Eliminar

Deixem os vossos comentários, são sempre bem vindos! :)
Feel free to leave a comment, it will be appreciated :)